Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Projeto para descontaminação de insumos hospitalares é aprovado
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Projeto para descontaminação de insumos hospitalares é aprovado

Pesquisadores do IFSP receberão R$ 90.000 para o desenvolvimento de módulos em seis meses

  • Publicado: Terça, 19 de Maio de 2020, 15h58
  • Última atualização em Sexta, 22 de Maio de 2020, 10h07

Um projeto do Laboratório de Controle Aplicado (LCA), do Câmpus São Paulo, foi aprovado em um edital de fomento da EDP, empresa do setor elétrico que selecionou projetos de enfrentamento à pandemia causada pelo coronavírus.

O projeto, denominado ULTRACIF, consiste em uma câmara de esterilização por irradiação ultravioleta germicida (IUVG), de fluxo contínuo, para a descontaminação de insumos médico-hospitalares. O trabalho foi desenvolvido em conjunto com a empresa Bright Photomedicine, por meio de um acordo de cooperação, e receberá R$ 90.000,00 reais para o desenvolvimento de protótipos funcionais que devem ficar pronto ao longo dos próximos seis meses.

A equipe de desenvolvimento do projeto é formada pelo professor Alexandre Brincalepe Campo e o aluno Rafael Feitoza, do curso superior de Engenharia de Controle e Automação, do Câmpus São Paulo; Luísa Perez Yamauchi Baptista, da Escola Politécnica da USP; o engenheiro Carlos Eduardo Palmieri Teixeira, servidor do Câmpus São Carlos, e o empresário Marcelo Sousa, físico e proprietário da Bright Photomedicine.

De acordo com o professor Brincalepe, o projeto foi proposto a partir da análise de artigos científicos sobre o tema e considerando as novas orientações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention – CDC) americano. “Cientes do perigo da exposição de tecidos humanos à irradiação ultravioleta do tipo C, foi feita uma proposta em que a descontaminação é feita numa câmara confinada, garantindo a proteção intrínseca do usuário do sistema”, contou. Segundo ele, a proposta também contempla a descontaminação através de um processo contínuo, possibilitando a adição de equipamentos ao processo a qualquer momento. 

Para Carlos Eduardo Palmieri, que além deste projeto também está ajudando a desenvolver o protótipo de um respirador mecânico, a sociedade vive um momento em que é preciso ter soluções imediatas e os Institutos Federais e universidades, por meio da ciência, tem buscado fazer sua parte. “Esta solução tecnológica proposta por nós servidores, estudantes, pesquisadores, trás grande benefício para a comunidade, que estará mais segura e protegida no combate deste vírus”, afirmou.

Confira na arte as características e como se dá o funcionamento do ULTRACIF:

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página