Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Projeto cria canal no Youtube para ensinar Biologia a alunos surdos
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Projeto cria canal no Youtube para ensinar Biologia a alunos surdos

O LIBIO Biologia em Libras  disponibiliza vídeos dos conteúdos da disciplina para o ensino médio

  • Publicado: Terça, 21 de Julho de 2020, 19h03
  • Última atualização em Terça, 21 de Julho de 2020, 19h58

Em 2019 a professora de Biologia Anna Isabel Nassar Bautista, do Câmpus Votuporanga, se viu diante de um desafio: ela tinha em sua sala de aula, pela primeira vez, um aluno surdo. A vontade de propiciar a ele um ensino com a mesma qualidade e as mesmas oportunidades dos ouvintes a fez procurar material de apoio na internet, mas para sua decepção, ela não encontrou. Foi então que surgiu a ideia de produzir vídeos, acessíveis para os surdos, sobre materiais de divulgação científica dos conteúdos de Biologia do ensino médio. Assim, Ana, juntamente com o aluno Glauber Carvalho da Silva, do 2º ano do curso Técnico Integrado em Informática, e o professor de Libras Lucimar Bizio criaram o canal do Youtube LIBIO- Biologia em Libras.

Antes de criar o canal, a equipe sistematizou a ideia no projeto de Iniciação Científica “Ensino de Biologia para surdos: elaboração de material didático numa perspectiva de inclusão escolar”, desenvolvido por meio do Programa PIBIFSP. Os conteúdos selecionados para a elaboração do material didático foram a abordagem inicial “Biologia”, a discussão sobre seu objeto de estudo, os chamados "seres vivos", e a Ecologia.

Após definir os conteúdos, a equipe elabora os roteiros, grava os áudios e os vídeos das aulas em Libras e finalmente faz a edição dos vídeos e a publicação no canal. De acordo com a professora Anna, já foram disponibilizadas quatro videoaulas, sendo duas sobre Introdução à Biologia e duas de Introdução à Ecologia. “A ideia era que neste ano conseguíssemos disponibilizar todo o conteúdo de Ecologia no canal, mas devido a alguns imprevistos, o fim do conteúdo de Ecologia deverá ser publicado somente ano que vem. E depois queremos seguir para o conteúdo de Citologia e todos os outros de Biologia do ensino médio”, contou.

Anna disse ainda que o canal é uma iniciativa inédita. Segundo a professora, nem ela e nem o professor Bizio, de Libras, conseguiram encontrar um canal de Biologia com conteúdo sistematizado para os surdos. “Acreditamos que este projeto é inédito em nível de Brasil. O que encontramos até o momento são canais que se dedicam a sinalários em Biologia. Mas nossa ideia vai muito além. É criar verdadeiros livros virtuais, não somente com o sinalário, mas também com a explicação do conteúdo”, afirmou.

O professor Lucimar Bizio contou que participar do projeto foi um desafio que ele aceitou prontamente. Ele, que trabalhou muito tempo com surdos na escola bilíngue de São Paulo, afirmou que conhece bem as carências de materiais pensados para os surdos, que muitas vezes só recebem materiais adaptados, e não pensados para eles. “O surdo tem o intérprete, mas quando a aula termina ele fica sem esse apoio, o seu acesso a materiais ainda é escasso. Foi pensando nisso que surgiu a vontade de participar desse projeto”, contou.

Ainda de acordo com o professor Bizio, algumas pessoas surdas avaliaram as aulas, e segundo ele, gostaram do conteúdo. “Disseram que as aulas estavam claras e é esse nosso objetivo, que o aluno surdo veja, entenda e consiga aprender”. Bizio ressaltou que o material pode ser fonte de consulta também para intérpretes, professores da rede publica, e espera que esse o conteúdo se multiplique e seja útil ao maior número possível de pessoas.

A professora Anna Isabel disse que mesmo com o término do projeto do PIBIFSP, o canal continuará sendo alimentado com novos conteúdos. “Fica aqui o meu apelo para outros professores de Biologia, intérpretes que se identifiquem com o projeto. Quem sabe daqui a alguns anos já consigamos ter todo o conteúdo de Biologia do ensino médio disponível para os surdos”!

Além do Canal do YouTube, conheça também o perfil do projeto LIBIO no Facebook e no Instagram.

 

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página