Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

ptenfrites
Página inicial > Notícias > Aluno do IFSP é aprovado em universidade norte-americana 
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Aluno do IFSP é aprovado em universidade norte-americana 

Estudante desenvolverá projetos com comunidade local em sete países durante graduação 

  • Publicado: Segunda, 03 de Maio de 2021, 11h50
  • Última atualização em Terça, 11 de Maio de 2021, 09h45

“O IFSP foi um divisor de águas na minha vida; me deu a oportunidade de sonhar”, relata Gabriel Bio Guerra, de 19 anos, recém-formado no curso Técnico em Informática integrado ao ensino médio no Câmpus Cubatão do IFSP. Ele embarca, em agosto, para seu próximo desafio acadêmico: a universidade Minerva Schools at KGI, nos Estados Unidos.  

Gabriel foi bicampeão em uma Feira de Ciências local, em 2019, com o projeto Realidade Mista no Ensino Básico

 

Na universidade localizada em São Francisco, na Califórnia, para onde foi aprovado com bolsa de 85% de desconto, ele cursará Computer Science and Business (Ciência da Computação e Negócios)O curso permitirá que o estudante desenvolva projetos com a comunidade local de sete diferentes países.  

Apenas 200 entre 25 mil candidatos de 180 países foram admitidos pela instituição no último processo seletivoO sucesso só foi possível graças a sua passagem pelo IFSP, garante o aluno. “O IFSP foi crucial na minha vida. Me deu a oportunidade de sonhar e me abriu portas para participação em várias atividades, conferências e workshops, além de oferecer informações de como crescer academicamente e profissionalmente.  

"Se eu tivesse continuado na escola onde estudava, no Guarujá, onde resido, eu não teria conhecido as pessoas do IFSP. E no IFSP, as pessoas almejam coisas grandes. No primeiro dia de aula, eu já percebi que ali era um ambiente diferente. Além de mostrar que eu poderia ir além, o IFSP me deu oportunidades pra que eu chegasse até lá”, assegura o técnico em Informática 

Junto a um grupo de alunos do Câmpus Cubatão em preparação para olimpíadas acadêmicas, Gabriel começou a buscar informações sobre graduações no exterior. Ele acredita que a participação em atividades extracurriculares garantiu sua vaga na Minerva. Entre os documentos para admissão na universidade, está um formulário para relatar exclusivamente as atividades complementares. "Não é um diferencial, é essencial. Questionam sobre o impacto da atividade na sua comunidade, se você foi líder ou cofundador, se reflete sua índole. Seu perfil deve estar representado ali”, dá a dica.  

Gabriel durante participação no Congresso Brasileiro de Iniciação Científica

 

A lista de participações em atividades extracurriculares de Gabriel é realmente extensa e vade feira de ciências local a curso para jovens empreendedores na Northwestern University, nos Estados Unidos. Neste evento, o estudante do IFSP foi escolhido entre 90 jovens empreendedores de todo o mundo. Além de ter liderado uma equipe de tecnologia, Gabriel foi eleito o melhor desenvolvedor entre todos os participantes. O aluno relata que a participação em olimpíadas, conferências, workshops e em atividades acadêmicas internacionais também são muito relevantes no processo de seleção da Minerva Schools at KGI 

O formato das aulas na Minerva é totalmente remoto, e permitirá que Gabriel viaje sete diferentes países desenvolvendo projetos com a comunidade de cada região. Em agosto, ele embarca para os Estados Unidos para uma estadia de seis meses. Depois seguirá para Taipei (Taiwan), Seul (Coreia do Sul), Hyderabad (Índia), Berlim (Alemanha), Buenos Aires (Argentina) e Londres (Inglaterra). Ao final, ele retorna para os Estados Unidos. Em cada país, o estudante permanecerá de quatro a seis meses.  

Gabriel lamenta que o processo para estudar fora ainda seja tão elitista. “Acho que o mais difícil é não saber o que vamos enfrentar nos processos seletivos. Temos poucas informações e concorremos com pessoas muito ricas, que tiveram muito mais oportunidades: frequentam cursos de Inglês desde a infância e pagam por uma assessoria para as candidaturas às universidades”. Por outro lado, ele sabe que teve mais oportunidade que a maioria, e trabalha para divulgar gratuitamente esse caminho. Ele ajuda a criar conteúdo para o canal nas redes sociais de um amigo admitido na Universidade de Harvard, o “Democratizando Application, que fala sobre candidatura a universidades estrangeiras, de forma a democratizar esse processo. Outras plataformas com o mesmo objetivo estão em desenvolvimento.  

Responsabilidade, aliás, é a peça principal na bagagem do estudante, que sonha em voltar para o Brasil preparado para articular mudanças. “Sei que essa experiência vai me conectar com pessoas de grande potencial, com desejo de avançar coletivamente. Eu tenho o desejo de ver o Brasil progredir e quero fazer parte desse desenvolvimento”, planeja.  

Gabriel e equipe durante apresentação de projetos a investidores na Northwestern University
registrado em:
Fim do conteúdo da página