Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Workshop de Indicação Geográfica compartilha experiências
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Workshop de Indicação Geográfica compartilha experiências

Evento reuniu, dias 22 e 23, participantes de projetos de IG de todo o IFSP e de outros estados brasileiros.

  • Publicado: Quarta, 22 de Maio de 2019, 17h41
  • Última atualização em Quarta, 29 de Maio de 2019, 12h15

A Agência de Inovação e Transferência de Tecnologia (Inova) do IFSP promoveu, nos dias 22 e 23 de maio, o I Workshop de Indicação Geográfica MAPA e IFSP: compartilhando experiências, em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O evento reuniu os coordenadores dos projetos de Indicação Geográfica (IG) desenvolvidos nos diversos câmpus do IFSP. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico de São Paulo e instituições ligadas aos Arranjos Produtivos Locais (APL) de diferentes cidades paulistas também estiveram representadas, assim como profissionais que trabalham com a IG em vários estados brasileiros.                                                                                     

 Em 2018 e 2019, a Agência Inova lançou dois editais (663/2018 e 174/2019) para os câmpus interessados em apoiar o APL, elaborando pedido de IG junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) para o desenvolvimento e fortalecimentos de produtos e serviços. Os editais aprovaram, no total, 16 projetos de IG (conheça os projetos abaixo).

O Diretor do Núcleo de Inovação Tecnológica, Adalton Masalu Ozaki, afirmou que a aproximação entre o IFSP e os APL’s é de fundamental importância porque está no cerne da vocação dos institutos federais, inclusive é uma das finalidades previstas na sua lei de criação. Ele destacou também o envolvimento dos alunos que se apropriam da história e da cultura de sua região e o ganho para os produtores locais que podem amadurecer e se fortalecer.                                         

A parceria entre o IFSP e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento é vista com muitos bons olhos por Francisco José Meditieri, responsável técnico pelas Indicações Geográficas do Mapa em São Paulo. Segundo ele, o Instituto agrega expertise e capilaridade ao trabalho do ministério de reconhecer novas IG, pois possui unidades em todas as regiões do estado e mão de obra técnica (alunos e professores) para operacionalizar o processo de reconhecimento.                                                                                                                                                 

Birigui

Visita técnica da empresa de calçados Klin, uma das
maiores da cidade, ao Câmpus Birigui do IFSP

 

Andréia de Alcântara Cerizza coordena do projeto de IG de calçados infantis no Câmpus Birigui, contemplado no primeiro edital. Mesmo a frente do projeto mais avançado de IG desenvolvido hoje no IFSP, ela destacou a importância da troca de experiências proporcionada pelo workshop. “Eu vim para aprender, receber críticas e ter um outro olhar sobre as ações realizadas. O IFSP comprova mais uma vez que valoriza a formação da comunidade interna e cumpre sua missão de pensar no fortalecimento do estado de São Paulo”.

A coordenadora de Pesquisa e Inovação do câmpus conta que o projeto de IG foi um “divisor de águas”, uma vez que a aproximação entre o IF e o arranjo produtivo local (APL) trouxe inúmeros benefícios para os dois lados. “Tivemos a adesão do Sindicado das Indústrias do Calçado e Vestuário de Birigui (Sinbi) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico na primeira reunião de apresentação do edital de IG, sabíamos da importância de envolver também o governo local, uma vez que o IG leva o nome da cidade” aponta. O Sinbi reúne 350 empresas de calçado infantil, além das empresas de calçado feminino e de vestuário. Hoje, a cidade, conhecida como Capital do Calçado Infantil, emprega 13 mil funcionários no setor e produz 52% dos calçados infantis de todo o Brasil.

Reunião com a empresa Pampili, outra grande
produtora de calçados infantis da cidade

 

A interação que já existia entre o IFSP e o Sinbi, por meio de palestras, visitas técnicas, participação em conselhos municipais e desenvolvimento de Iniciação Científica junto aos produtores de calçados, se estreitou e gera ações que vão além do projeto de IG. “Estamos recebendo empresas no câmpus, que vêm conhecer as ações desenvolvidas no IFSP. Já recebemos demandas para o desenvolvimento de aplicativos, de realidade virtual aumentada, de automação”, enumera Andréia. Durante as visitas, os alunos aproveitam para apresentar os trabalhos realizados, o conhecimento técnico e também humano que acumulam no IFSP por meio da participação em atividades dos núcleo de Estudos sobre Gênero e Sexualidade (Nugs), de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi) e de Apoio às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (Napne).

No dia 28 de junho, será realizada uma reunião com 20 gestores de Recursos Humanos de empresas membras do Sindicato. “Vamos mostrar estratégias de convívio, verificar as necessidades dos empresários, do poder público e do terceiro setor. O IF está consolidando sua missão, de estar junto com os APL potencializando o desenvolvimento local”, finaliza.

Programação

Na quinta-feira, 23, foram realizadas três apresentações com debates. “Experiências compartilhadas: a articulação SFA/ES e IFES na promoção das IGs no estado do Espírito Santo”, por Beatriz de Assis Junqueira (Mapa); “Experiências compartilhadas: o papel das instituições de pesquisa e ensino na governança e fomento de IG”, por Benoit Paquereau (ITEP/PE); e “Experiências compartilhadas: enraizamento, identificação e governança na IG da Região de Corupá/SC”, por Eliane Cristina Müller (ASBANCO). As atividades aconteceram no Auditório Aldo Ivo Vicenzo, do Câmpus São Paulo.

Benoit Paquereau é francês, mas trabalha e mora há 20 anos no nordeste do Brasil. Tecnólogo em laticínios com experiência em diversos países, ele é um dos responsáveis pelo projeto de reconhecimento da Indicação Geográfica do Queijo Coalho do Agreste de Pernambuco. Ele afirma que o evento tem proporcionado uma troca de experiências muito enriquecedora, onde se percebe que o reconhecimento da IG representa a valorização de produtos ou serviços que são patrimônios culturais de uma região e agrega valor ao território e toda a cadeia produtiva.

O que é Indicação Geográfica?

A Indicação Geográfica (IG) é usada pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) para identificar a origem de produtos ou serviços quando o local tenha se tornado conhecido ou quando determinada característica ou qualidade do produto ou serviço se deve a sua origem. Um exemplo é o queijo Canastra, cuja IG foi concedida com base na sua procedência, a Serra da Canastra, em Minas Gerais.

O Estado de São Paulo possui poucas IG’s registradas no INPI, abrindo oportunidade para o IFSP apoiar o Arranjo Produtivo Local. A concessão da IG pode contribuir com a comunidade e com o IFSP de diversas maneiras:

  1. a) O produto que recebe uma IG passa a ter o reconhecimento de suas características distintivas, que permite aumentar a demanda, contribuindo assim para a renda dos produtores locais;
  2. b) O aumento da demanda contribui para aumento da geração de empregos na região;
  3. c) O IFSP passa a compreender melhor a história e as características dos produtores locais, podendo desta forma preparar melhor os estudantes para o mundo do trabalho;
  4. d) Com base nessa compreensão, o IFSP pode identificar oportunidades para projetos cooperados de pesquisa, inovação ou prestação de serviços, cumprindo os objetivos e características previstas na sua lei de criação.

Projetos de IG apoiados pelo IFSP

Câmpus Arranjo Produtivo Local participante Coordenador do projeto IFSP
São Carlos Calçado feminino de Jaú Lucas Bueno R. de Oliveira
Birigui Calçados infantis Andréia de Alcântara Cerizza
Registro Arroz Moti (Vale do Ribeira/SP) Akemi Hijioka
São Roque Vinhos de São  Roque Fabio Laner Lenk
Suzano Cambuci (Serra do Mar/SP) Vanessa Aparecida Soares
Jundiaí Uva Niagara Rosada Felipe Ferreira de Lara
Sorocaba Polo Aeronáutico de Sorocaba Guilherme Bizarro Salve
Pirituba Polo Cosmético de Diadema Lincon Lopes
Campinas Agricultura Natural Erika Batista
Catanduva Limão Thaiti Paulo Henrique Palota
Sertãozinho Cerveja de Ribeirão Preto Jean Carlos Rodrigues da Silva
Araraquara Tecnologia de Informação e Comunicações Fábio José Juto dos Santos
Campos do Jordão Pinhão Ana Lúcia da Cunha
Avaré Serviços Sustentáveis da Cuesta Rafael Cedric Möller Meneghini
Boituva Centro Nacional de Paraquedismo Israel Mendes da Silva
Bragança  Paulista Cafés de Bragança Orlando Berenguel

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página