Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Meu câmpus tem: Clube de Vexilologia

A comunidade do Câmpus Capivari do IFSP teve um motivo a mais para torcer durante a Copa do Mundo 2018. Os corredores do câmpus foram tomados por bandeiras das 83 regiões da Rússia, anfitriã dos jogos.

  • Publicado: Sexta, 10 de Agosto de 2018, 09h11
  • Última atualização em Sexta, 10 de Agosto de 2018, 09h39

Mais do que uma bela decoração, as bandeiras são instrumento de ensino do professor Tiago Berg, que coordena o Clube de Vexilologia do câmpus.

O interesse do docente pelas bandeiras e hinos surgiu ainda na infância, justamente enquanto assistia aos jogos da Copa do Mundo. Os estudos de Tiago sobre o tema tornaram-se cada vez mais frequentes, até titular-se mestre e doutor com uma pesquisa sobre os símbolos e sua estrutura representativa.

No IFSP, o objetivo do projeto é difundir e ensinar a vexilologia (o estudo das bandeiras, sua origem, usos e significados) por meio da construção de bandeiras nacionais, regionais e municipais para toda a comunidade interna e externa ao IFSP na região de Capivari por meio de exposições temáticas.

Os membros do Clube de Vexilologia aprendem a história e origem das bandeiras, seu uso correto, seus significados e sua importância como símbolos cívicos. Também conhecem dados técnicos e normas de etiqueta das bandeiras e aprendem a identificá-las e explicar aos demais interessados suas características.

As bandeiras da última exposição são pouco conhecidas fora da Federação Russa, explica o professor, e possuem um grau de representatividade muito significativo, pois existem símbolos religiosos, culturais, políticos, geográficos, históricos e míticos que evocam a diversidade dos povos que compõem o país. “A exposição é uma verdadeira viagem aos mais diversos cantos da pátria russa, como se fosse uma aula ao ar livre sobre o país, pois cada bandeira foi cuidadosamente identificada no verso com uma ficha contendo o nome, a localização e o significado. Posso dizer que é como viajar de forma surpreendente pela Rússia por meio de suas bandeiras.”

O retorno do público é sempre positivo. Nesse ano, a exposição foi pauta de diferentes emissoras de TV, sites e jornais impressos. Em 2016, a exposição com 206 bandeiras reproduzidas dos países que participaram dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro saiu do câmpus do IFSP para a Unesp Rio Claro. “Cada exposição traz um novo colorido aos corredores da instituição, atraindo o público pelo caráter visual que as bandeiras possuem”, acredita.

“Bandeiras Olímpicas no IFSP” foi apresentado durante o Congresso Internacional de Vexilologia em Londres, em 2017. “Como professor, me senti realizado de divulgar o meu país e o IFSP no maior evento mundial sobre o assunto”, destaca Tiago, que ouviu dos congressistas sobre a importância do trabalho ao atrair as novas gerações para o interesse na área das bandeiras. O docente, que é autor dos livros "Bandeiras de todos os países do mundo" e "Hinos de todos os países do mundo", também planeja desenvolver materiais para orientar outros professores da rede pública de ensino a utilizarem as bandeiras para ilustrar seus respectivos conteúdos acadêmicos em sala de aula, como forma de difundir a vexilologia no Brasil.

Alunos participantes

Quando ingressou como docente no IFSP, em 2014, Tiago Berg, que leciona Geografia para cursos técnicos integrados ao ensino médio e para Educação de Jovens e Adultos, percebeu que o conhecimento adquirido poderia ser aplicado de forma prática para ilustrar muitos significados que estavam ocultos nos símbolos. “Trouxe a vexilologia para o âmbito da escola, de forma a mostrar as bandeiras como carteira de identidade dos países e regiões, como um conteúdo que poderia auxiliar o que fora aprendido em cada disciplina, pois as bandeiras são símbolos visuais muito fortes. Por outro lado, o interesse dos alunos também aumentou a cada nova exposição”, avalia.

O interesse dos alunos é tamanho que mesmo egressos continuam colaborando com o clube. Atualmente, três alunos do curto Técnico em Química integrado ao ensino médio participam do projeto: Andressa Aparecida Brito Martins, Washinei Rocha e Laís Rodrigues Lamari. As exposições “Bandeiras da África” (2015 e 2017), “Bandeiras Olímpicas” (2016) e “Bandeiras dos Estados Brasileiros” (2016) foram organizadas pelos alunos Eduarda Gaion Lopes de Lima, Emily Brenda Dias Ferraz, Leticia da Silva, Rafaela Santos da Silva, Tais Nascimento (Técnico em Informática), Gabriel Henrique Souza Prado (Técnico em Química), Larissa Isabela Alves da Silva e Weverson Domingues Pereira (egressos do curso Técnico em Química).

Tiago explica que todos os estudantes participam de diversas atividades que envolvem a construção de bandeiras por meio de técnicas de colagem e uso de normas industriais de produção, realizam pesquisas sobres as bandeiras e aprendem sua importância e significado, além do restauro e da produção de exposições temáticas orientadas pelo professor.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página