Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Estão disponíveis os certificados do V Seminário do IFSP sobre Diversidade Cultural e Educação

  • Publicado: Quinta, 30 de Agosto de 2018, 13h10
  • Última atualização em Quinta, 30 de Agosto de 2018, 13h10

Já estão disponíveis os certificados de participação no V Seminário do IFSP sobre Diversidade Cultural e Educação. Os participantes podem baixar o certificado por meio do link: https://drive.ifsp.edu.br/s/3I2R9Z52TqTsnQR .

O V Seminário do IFSP sobre Diversidade Cultural e Educação aconteceu no dia 15 de agosto, no Instituto Salesiano Pio XI, na capital paulista. Na oportunidade, servidores técnico-administrativos e docentes de diversos câmpus do IFSP discutiram formas de abordar assuntos como o gênero e a sexualidade em sala de aula.

Com tema “Tensões contemporâneas e perspectivas para uma formação emancipadora: relações étnico-raciais, diversidade, gênero, corporeidade e direitos humanos”, o seminário trouxe duas mesas-redondas, as quais subsidiaram a discussão sobre “Educação, Justiça e Linguagens: reflexões  e expressões dos Direitos Humanos” e “Corpos matáveis: o silenciamento brutal dos sujeitos”.

Da esquerda para a direita: a coordenadora do Núcleo de Estudos sobre Gênero e Sexualidade (Nugs), Priscila de Aquino; o pró-reitor de Extensão, Wilson de Andrade Matos; o coordenador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi), Adelino Francisco de Oliveira

Durante a abertura do evento, o pró-reitor de Extensão, Wilson de Andrade Matos, destacou o papel da Instituição de educar integralmente, formando cidadãos humanos. “Não podemos nos furtar dessas discussões sabendo que formaremos jovens lideranças em diferentes setores da sociedade". Wilson lembrou que melhor seria não precisar falar sobre o feminicídio e o assassinato de índios e negros. “Quais são seus erros? Nascer mulher, índio ou negro? Quantos lutam e morrem defendendo os Direitos Humanos?”, indagou. O pró-reitor pediu aos servidores que multipliquem as discussões nos seus câmpus de atuação. “Essa é uma batalha diária, temos de ir para o enfrentamento porque somos um espaço de resistência. Não podemos nos omitir”, defendeu.

Após a fala dos palestrantes (veja mais abaixo), os servidores do IFSP levantaram questões, principalmente sobre como conversar sobre as relações étnico-raciais, a diversidade, o gênero, a sexualidade e os direitos humanos em sala de aula, como aponta Eduardo Castro, docente do Câmpus Suzano: “na minha formação, que se deu há mais de 20 anos, essas temáticas não faziam parte das discussões da licenciatura. Lidamos com a diversidade de gênero, de sexualidade e é uma preocupação levar essas discussões para sala de aula”. Eduardo elogiou o conteúdo do seminário e acredita que, ao multiplicar o aprendizado, levará reflexão aos alunos, de maneira que repensem a própria realidade, a própria sexualidade e a maneira como veem a sexualidade dos colegas.

O casal de professores Cristiane Santana Silva, de Guarulhos, e Christian Fernando dos Santos Moura, de Câmpos do Jordão, também aprovou as discussões. Para Cristiane, esse evento é “mais do que necessário, visto que a violação de direito é uma realidade”. “Enquanto docente, essas exposições me trazem repertório, referencial teórico para construir estratégias de combate, transpor a discussão para educação e superação das desigualdades. Se nossos alunos tiverem posse desses conceitos, podem alterar a própria realidade”, avalia.

O seminário, promovido pela Pró-reitoria de Extensão (PRX) e pelos Núcleos de Estudos sobre Gênero e Sexualidade (Nugs) e de Estudos Afro-brasileiro e Indígena (Neabi) do IFSP, também trouxe outros interessados em se atualizar, como Miracy Salles Alves Pereira, mãe da servidora Priscylla, coordenadora de Apoio à Direção do Câmpus Suzano. “Os temas são muito ricos. Na minha época não falávamos com nossas filhas sobre sexualidade, elas aprendiam na escola. Hoje me preocupo e me mantenho atualizada. Acredito que é necessário melhorar a educação também na família, que tem a responsabilidade de conversar, orientar”, revela Miracy.

Priscylla exalta a importância dos temas tratados. “Temos alunos em diversas situações, com depressão, em conflito com sua própria sexualidade, e essas capacitações nos auxiliam a lidar melhor com essas diferenças e nos dão ferramentas para abordar essas questões com os alunos. É importante ver que servidores de outros câmpus passam pelas mesmas dificuldades. Infelizmente hoje as pessoas naturalizam a violência contra a diversidade.”

Palestrantes


A mediadora Dione Cabral observa os palestrantes Daniel Filipe Moraes, Ramon Nunes Mello e Carlos Rivoredo (da esquerda para a direita)

 

No período da manhã, a discussão sobre “Educação, Justiça e Linguagens: reflexões e expressões dos Direitos Humanos” contou com a participação do médico e professor Carlos Rivoredo, que falou sobre a história da criação dos Direitos Humanos; do poeta e escritor Ramon Nunes Mello, que falou sobre corpos, saúde e direitos dos portadores e dos não portadores de HIV/Aids; do psicólogo Daniel Filipe Moraes, que falou sobre seu trabalho no Núcleo Especializado de Defesa da Diversidade e da Igualdade Racial da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e em programas de assistência à comunidade LGBT. A mesa foi mediada pela assistente social do Câmpus Araraquara Dione Cabral.

Na mesa da tarde, mediada por Moacir Silva de Castro, o tema “Corpos matáveis: o silenciamento brutal dos sujeitos” trouxe como debatedores o docente do Câmpus Itaquaquecetuba Tadeu Mourão, que falou sobre a homossexualidade, a travestilidade e suas relações históricas com o Candomblé; a pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, da Unicamp, Natalia Corazza Padovani, que falou sobre as relações entre estados e corpos no contexto dos Direitos Humanos; o membro do projeto de extensão Coletivo de Saúde Mental da Universidade Federal do Mato Grosso Itallon Lourenço da Silva, que falou sobre violência e saúde mental.


Tadeu Mourão recebe a atenção dos colegas de mesa Itallon Lourenço da Silva e Natalia Corazza Padovani e do mediador Moacir Silva de Castro (à esquerda)

 

Acesse aqui o vídeo da abertura do V Seminário sobre Diversidade Cultural e educação.

 Acesse aqui o vídeo da 1ª Mesa do V Seminário sobre Diversidade Cultural e educação.

Acesse aqui o vídeo da 2ª Mesa do V Seminário sobre Diversidade Cultural e educação.

Acesse aqui o vídeo dos debates do V Seminário sobre Diversidade Cultural e educação.

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página