Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Editoria D
Início do conteúdo da página

Módulo de manchete lateral - outro exemplo

Ministério inaugura radar meteorológico em Natal (RN)

Aparelho atenderá a uma das metas do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Alertas de Desastres Naturais

Neabi seleciona novos membros

O Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Neabi) está com inscrições abertas, até o dia 29 de novembro, para a candidatura de novos membros. Podem candidatar-se para compor o Neabi docentes e técnicos administrativos, além de estudantes regularmente matriculados e egressos do IFSP. Os interessados em se inscrever devem atender a, pelo menos, um dos requisitos estabelecidos no item 3 do edital, disponibilizado abaixo. As inscrições podem ser feitas por meio do link: https://forms.gle/93of168N13Wj7vAY8  Serão disponibilizadas 15 (quinze) vagas, que serão preenchidas prioritariamente por representantes dos câmpus que não possuem membros do NEABI. O Neabi O Neabi existe para que as questões étnico-raciais, como o racismo e a xenofobia, não fiquem à margem e sejam encaradas com a devida seriedade nas ações de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas no âmbito do IFSP, ou que estejam a ele vinculadas. Isso significa zelar pelo fiel e adequado cumprimento da legislação, promovendo e ampliando as ações inclusivas e o debate acerca do racismo em nosso país. Mais informações das ações desenvolvidas pelo núcleo podem ser encontradas aqui. Documentos: EDITAL N° 825/2019 – Chamada pública para novos membros do NEABI

Câmpus Bragança formaliza a primeira transferência de tecnologia do IFSP

No dia 11 de novembro, foi assinado o primeiro contrato de transferência de tecnologia do IFSP. A ação, realizada entre o Câmpus Bragança Paulista e a empresa Nautilus, é resultante da chamada CNPq-SETEC/MEC N º 17/2014 (Apoio a Projetos Cooperativos de Pesquisa Aplicada e de Extensão Tecnológica), e contou com o apoio da INOVA IFSP. Transferência de tecnologia é o processo pelo qual uma organização transfere para outra um conjunto de conhecimentos técnicos ou científicos a serem aplicados na produção. A Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, gerou incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e possibilitou a efetivação de contratos de transferência de tecnologia. Neste contexto, a empresa Nautilus, sediada em Nazaré Paulista e especializada no desenvolvimento, fabricação e comercialização de equipamentos para piscinas e SPA, procurou o IFSP com o objetivo de desenvolver um novo produto para ser lançado no mercado: um sistema automatizado para controle de piscinas. Do outro lado, professores e pesquisadores do Câmpus Bragança viram na chamada pública CNPq-SETEC/MEC uma oportunidade de viabilizar a realização desse projeto com financiamento de bolsas para pesquisadores e estudantes, compra de material e infraestrutura, e submeteram uma proposta, que foi aprovada em sua totalidade. A aprovação proporcionou a parceria entre o IFSP e a Nautilus e atendeu à demanda da empresa em ter uma equipe de desenvolvimento de novos produtos. Após 2 anos de desenvolvimento, foi entregue para a empresa o “Sistema de Automação de Piscinas”, produto que controla, por meio do celular, computador ou tablete, funções como aquecimento, bombas, iluminação e cascata da piscina. Além disso, permite o agendamento dessas funções e o monitoramento a distância da temperatura da água. Com a transferência de tecnologia, o Câmpus Bragança Paulista recebeu como contrapartida um sistema de controle de acesso no valor de R$ 25 mil, além de equipamentos e material de consumo no valor de R$ 20 mil. A parceria proporcionou também a capacitação e formação de professores e estudantes, sendo que um dos estudantes se tornou funcionário da empresa Nautilus. O projeto foi coordenado pelo professor João Roberto Moro, atual diretor da unidade, e teve o envolvimento dos professores Vitor Garcia, Sérgio Ricardo Pacheco e André Marcelo Panhan e do tecnólogo em Eletrônica Industrial Murilo José de Carvalho. Durante o desenvolvimento, o projeto contou também com a participação de quatro estudantes do curso técnico em Eletroeletrônica, dois estudantes do tecnólogo em Eletrônica Industrial e dois estudantes do tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Equipe do projeto em frente ao sistema de controle de acesso obtido como contrapartida pela transferência de tecnologia. Da esquerda para a direita: João Roberto Moro, André Marcelo Panhan, Sérgio Ricardo Pacheco, Vitor Garcia, Murilo José de Carvalho.

IFSP efetiva primeiro programa institucional em direitos humanos, relações étnico-raciais e gênero

O Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI) lançado em 2015 e o Núcleo de Estudos Sobre Gênero e Sexualidade (NUGS) construído em 2016, se uniram para organizar uma ação pioneira no IFSP: um programa institucional de ensino, pesquisa e extensão. O programa tem como objetivo organizar um conjunto de ações de ensino, pesquisa e extensão, que contribuam efetivamente com a promoção e valorização da diversidade étnico-racial, bem como o combate a toda forma de discriminação e preconceito com base em questões de gênero, atuando contra e de modo a superar o racismo, sexismo, homofobia, a transfobia e todas as formas de discursos e práticas que prejudiquem a dignidade e a emancipação das pessoas. A pedagoga Caroline Jango, coordenadora do programa, afirmou que se trata da primeira iniciativa organizada nesse modelo na instituição. De acordo com ela, foi necessário um trabalho conjunto dos núcleos e das pró-reitorias de ensino, pesquisa e extensão para viabilizar a proposta. Ainda segundo Caroline, para a efetivação dessa ação foram elaborados três editais que selecionaram projetos com fomento para bolsistas e, a partir dessa seleção, foram aprovados 21 projetos espalhados em 14 câmpus do IFSP. Para o professor Adelino Oliveira, coordenador do NEABI, essa ação viabilizará formação docente e discente, da comunidade interna e externa, por meio da produção de material didático, atividades culturais, debates e reflexões, resgate de memória e história por meio de ações diversas como eventos, cursos e projetos de extensão, projetos de pesquisa e ensino, que proporcionarão à comunidade externa e interna do IFSP a possibilidade de construir conhecimentos críticos acerca da temática étnico-racial e relativas às questões de gênero e aos processos identitários da pessoa, em diferentes perspectivas numa estreita e intrínseca relação com a educação em Direitos Humanos. Os câmpus Araraquara, Caraguatatuba, Jacareí, Salto, São Paulo, Sorocaba, Matão Suzano, Itaquaquecetuba, Piracicaba, São Miguel Paulista, Ilha Solteira e Hortolândia já estão sendo beneficiados com as ações dos projetos. O professor Luciano Lira, coordenador do NUGS, reitera a importância desse projeto destacando que a inciativa está ancorada na perspectiva da interseccionalidade, possibilitando assim o estudo da sobreposição de identidades sociais e sistemas de opressão, dominação e discriminação, ou seja, um ganho para toda a comunidade acadêmica em termos de reflexão, pesquisa e aprendizado. O reitor da Instituição, em conjunto com o Pró-reitor de Administração, garantiu o orçamento para a realização desse programa consolidando, portanto, uma política da instituição de promover a diversidade étnico-racial e de gênero iniciada com a criação dos núcleos. Abaixo é possível apreciar os títulos dos projetos que compõe o programa e seus respectivos coordenadores. Formação para emancipação e autonomia de mulheres em situação de vulnerabilidade social: um estudo de caso de um projeto do programa mulheres do IFSP – Coordenadora: Josilda Maria Belther; Vídeos de curta duração como ferramentas educacionais contra discursos de ódio e fake News – Coordenador: Ricardo Roberto Plaza Teixeira; Atividades educacionais sobre cultura e ciência como ferramentas para refletir sobre diferentes formas de preconceitos - Coordenador: Ricardo Roberto Plaza Teixeira; Educação em sexualidade: um estudo interseccional a partir da percepção de professores do Ensino Fundamental II da rede pública de ensino de Jacareí-SP – Coordenadora: Renata Plaza Teixeira; Suicídio na população LGBT: uma análise da interseccionalidade entre gênero e raça a partir do relato de profissionais que atuam na área de saúde mental em Jacareí-SP – Coordenadora: Renata Plaza Teixeira; Parece, mas nem sempre é - o uso de sujeitos negros na grande mídia brasileira – Coordenador: Leonardo Borges da Cruz; Diversidade e inclusão LGBT+ em organizações turísticas: um estudo da percepção discente sobre as empresas empregadoras – Coordenador: Marcos Hideyuki Yokoyama; Práticas modernas no ensino de Física Moderna e Contemporânea como ferramenta de iniciação de alunas do Ensino Médio na carreira científica – Coordenador: Diego Rafael Nespeque Correa; Clube de Leitura Ubuntu – Coordenadora: Valquíria Pereira Tenório; Ubuntu: integração e desenvolvimento da comunidade haitiana em Salto – Coordenadora: Williana Angelo da Silva; Canteiro escola de técnicas construtivas de baixo custo no quilombo da Caçandoca – Coordenador: Francisco Fabbro Neto; Meninas no MasterClass - um convite à Física de Partículas – Coordenadora: Cleide Matheus Rizzatto Banca da Ciência: Diversidade cultural – Coordenadora: Cathia Alves; A Música como ferramenta educacional para o combate a preconceitos –Coordenador: Ricardo Roberto Plaza Teixeira; Conceição Evaristo na escola: leitura e escre(vivência) em “As histórias de leves enganos e parecenças” – Coordenadora: Tais Matheus da Silva; Cotidiano e Gênero na Escola – Coordenador: Adelino Francisco Oliveira; Educação em sexualidade no contexto escolar: um estudo interseccional a partir da percepção de professores do Ensino Fundamental II da rede pública de ensino de Jacareí, SP – Coordenadora: Renata Teixeira Plaza; Não se gosta do que não se sabe que existe: catálogo de mulheres escritoras brasileiras afro-brasileiras e indígenas – Coordenador: Silas Luiz Alves Silva; O ensino sobre gênero, sexualidade e raça por meio de podcasts – Coordenador: Marcos da Cruz Alves Siqueira; Pensando o feminismo interseccional no lugar a partir das vivências escolares e do coletivo MariElla – Coordenadora: Mariana Traldi; Sobre língua, gênero e raça em “Americanah” de Chimamanda Ngozi Adichie – Coordenadora: Stefanie Fernanda Pistoni Della Rosa. Notícias relacionadas: Projetos em Direitos Humanos, Relações Étnico-Raciais e Gênero: resultado final    

Fim do conteúdo da página